• Rodrigo Maria Dias

Autobiografia, por Rodrigo Maria Dias

Ao som de Roberto Carlos nasceu!

"...Eu sei todo dia nessa estrada…"

Às 11:30 de um 21 de dezembro seu primeiro respiro deu

Rua de terra, tias, avós, primos e primas

No número 52 de uma rua periférica cresceu

No quintal hoje bem menor do que parecia

Uma balança na goiabeira, um poço, pé de laranja, pitanga, caqui

No meio da plantação de milho de sua avó preta entrava numa floresta encantada e de monstros e vilões se escondia

Batalhas com espadas de cabo de vassoura combatia

De manhã uma nave esfumaçada aparecia

Cantava, dançava e falava muito toda hora era tudo alegria

Mas logo cedo vieram as pedras

No seu corpo aquela dança não cabia

Ser como conseguia ser, como era não era permitido, não não podia!

Mas como ser outro diferente do que era?

Isso não sabia

Chacotas, insultos, um bloco vindo do teto do pátio da escola encontrou sua cabeça

Bichinha, viadinho, Xuxinha…

Um pau com fogo na sua rua arremessaram

Realidade dura apresentaram

E feriram aquele menino, aquela criança

Feriram fundo e hoje não dança

Contudo, houveram também amores

Teve uma tia, que muito bem lhe queria

Sua mãe, família, que amenizaram suas dores

E nos palcos reviu e muito do brilho

O caleidoscópio que era, renasceu em cores

Um novo mundo se revelou

Nos domínios de Baco se encontrou

E ali nova paixão brotou

E desatou muitos nós

Ouviu de repente sua própria voz

Vinda da alma, do coração

Pra companhia da voz veio o violão

E daí pra frente, as paixões, as topadas

Seu riso, lágrima, as desilusões

Viraram tom, nota, compasso

Cantando sua história em muitas canções

Mergulhos profundos na espiritualidade

No fundo de seru mar

Curou cortes

Chorou mortes dos amados que foram voar

E ainda na senda seguia pra se entender

Viveu Psicologia

Mais feridas, da vida mais matizes

Encontrou ainda mais cicatrizes

Coisas que não podia nem suspeitar

Viu uma flor nascer

E do sagrado quis mais aprender

Do início da luz

Mulher da vida portal

Feminino mergulho abissal

No labirinto infinito

Foi se achar, se perder

No paraíso verde com sábias matronas

No coração do majestoso Amazonas

Mais canção, mais amigo, irmão

Couberam todos no seu coração

Beleza pra nunca esquecer

Pra Selva de Pedra voltou

Tropeçou, levantou

E hoje garimpa amor

Se ainda tiver em SP

As palavras, curativa magia

Hoje são suas estrelas, seus, conselheiras, seus guias

Cantando, contando

Pintando

Seus passos poetizando

Lama, lava, do peito vomitando

E cantando segue enquanto viver

Conta, canta sobre o viver

Canta, conta pra sobreviver



Rodrigo Maria Dias é cantor, ator, músico, psicólogo, tarólogo e navegante.


Ele faz parte do Grupo LGBTQIA+ de Novos Autores que compõe o projeto É DIA DE ESCREVER.


Segue ele lá no instagram e acompanhe a sua artes. @rodrigomariadias

9 views0 comments

Recent Posts

See All